Site pioneiro no resgate da memória lagartense

Lagarto, 29-04-2017

Rusel Barroso: um gentleman lagartense

Claudefranklin Monteiro, 21 de abril de 2012

Rusel Barroso

Aficionada por trajetórias de vida, minha pena não poderia passar em branco para saudar um dos homens mais cordiais que Lagarto já pode testemunhar. Educado, que se faz respeitar, polido na linguagem e no trato, sábio, educador, reservado, probo e altivo, são algumas das definições que se pode atribuir ao homem e ao personagem Rusel Marcos Batista Barroso[1]: a essência do ser humano acabado, pronto e definitivo. Um verdadeiro gentleman lagartense: um lorde inglês, cujas honrarias lhe emprestam o caráter.
O destino, se é que existe isto para figuras ímpares como esse cidadão lagartense, reservou ao abnegado pesquisador e professor os anos 60 do século passado para seu estouro de vida, mais precisamente o dia 27 de junho de 1963, na Maternidade Zacarias Júnior. Uma década especial não só para o mundo e o Brasil, mas também para Lagarto, apesar das agruras políticas. Destacadamente pelas profundas transformações no campo cultural, seu norte e obstinação.

A sólida base familiar e a postura cândida e social, bem como a inspiração, o prodigioso menino herdara de seus pais Jodeclan Barroso da Silva e Aidê Batista Barroso. Do berço afetuoso, Rusel aprendeu a arte de viver em harmonia em meio às adversidades da vida, sem perder a calma e a serenidade.

Entre as idas e vindas de sua amada Lagarto e Aracaju, o garoto Rusel teve uma infância normal, com sonhos e brincadeiras. Queria ser prefeito de sua cidade, médico, músico e até mesmo arquiteto. Curiosamente, tais projetos podem não ter se concretizado, mas estiveram presentes em sua trajetória brilhante e irretocável como professor. Cirurgião do saber, administra sabiamente a vida, ao som da Banda Los Guaranis, construindo projetos sólidos, como a primeira escola de línguas de Lagarto, a OACI[2], e solidificando realidades vitoriosas como a Faculdade AGES.

Tendo iniciado seus estudos em Lagarto, nos colégios “Dom Frei Vital” e “Laudelino Freire”, concluindo-os entre a capital e a Bahia, tornou-se ao longo dos anos um amante inveterado das letras, descobrindo um talento incomum entre seus pares: o domínio da língua inglesa. Seus dotes nessa área já puderam ser percebidos nos anos 70, quando em 1978 foi eleito o melhor aluno de inglês do Estado de Sergipe, prêmio concedido pelo Centro de Cultura Anglo-Americana. Façanha repetida em nível de Norte e Nordeste no ano seguinte.

Meteoricamente, o jovem “gentleman” alça voos ainda maiores nos anos 80, tornando-se um dos professores mais respeitados e com tão pouca idade sem precedentes na história da educação em Lagarto, tendo ministrado aulas em instituições como Caledonian Language School, Escolas Fisk e CCAA (Aracaju), bem como nos Colégios Sílvio Romero e Nossa Senhora da Salete, ocasião em que conhecera um de seus maiores ícones de personalidade ilibada: Adelina Maria de Santana Souza. Aliás, as mulheres sempre cercaram Rusel. Afora suas amadas Joesilda (esposa), Laina Michelle, Louise Kathleen e Luanne Monique (filhas), destaque ainda para Selma Siqueira, Maria Emília e Piedade Hora: a tríade incentivadora da carreira na docência. Não deixando de citar, sua passagem marcante pelo Colégio Estadual Abelardo Romero Dantas, onde realizou incontáveis trabalhos, a exemplo do Polidisplay, quando firmou amizades importantes com os professores Paulo Andrade Prata, Maria do Carmo Oliveira da Fonseca e José Cláudio Monteiro Santos (de saudosa memória), por quem nutria um notório carinho, beirando a fraternidade.

Nos anos 90, inicia uma série de trabalhos que o inserem na pesquisa, ocupando-se de temas como história e cultura de Lagarto, e, sobretudo, Sílvio Romero, tornando-se um especialista e estudioso abnegado. Essa nova faceta de sua carreira lhe rendeu artigos, monografias, textos diversos, folhetos comemorativos, impressos, folders e informativos, como “Ecos da Educação”, do qual foi editor quando na Assessoria de Comunicação da Diretoria Regional de Educação, além do bem-sucedido “site” www.lagartonet.com: uma das maiores referências virtuais sobre a cidade de Lagarto.

Entre os cargos que ocupara, após décadas de carreira vertiginosa, destaque para a Assessoria de Gabinete da Secretaria de Educação e Cultura do Município, de 1995 a 1997; tendo sido ainda Diretor de escolas como Frei Cristóvão de Santo Hilário e Dom Mário Rino Sivieri.

Ainda nos anos 90, seu talento e sua paixão pelo trabalho o levam ao Ensino Superior. A convite do Prof. José Wilson dos Santos, ministra aulas no curso de Letras e Ciências Contábeis da Faculdade AGES (Paripiranga/BA), onde hoje ocupa o cargo de Diretor Adjunto e Presidente do Conselho de Ética. Parte considerável do sucesso dessa importante IES, reconhecida e premiada em nível nacional, se deve em grande medida à contribuição desse exímio talento lagartense.

Portador do Certificado “Foreign Language for Foreign Students” pela National Technical Schools de Los Angeles, e do Certificado Spoken English for Speakers of Other Languages pela Trinity College de Londres, coleciona prêmios e honrarias inúmeras, como a Ordem do Mérito Sílvio Romero (2001) e a Comenda Daltro (2011), outorgadas pelo governo do seu município, o que torna Rusel Marcos Batista Barroso uma das figuras contemporâneas mais completas da gente lagartense, cuja marca, certamente, já está cravada em sua inestimável história cultural.

Principais Obras: tradutor de Caminhos & Atalhos (1997), da escritora Núbia Marques; revisor de O Gosto da Fala Confidente (2000), de Socorro Rocha; Psicologia Geral (2002) e Vivências Acadêmicas do Estágio na UFS (2010), do Prof. Dr. Rivaldo Sávio. Autor de Coletânea de textos bilíngues sobre o município de Lagarto. Manual de Trabalhos Acadêmicos (2007) e Manual de Monografia (2012), coautoria de José Wilson dos Santos. O pioneirismo de Sílvio Romero na Historiografia da Literatura Brasileira (no prelo). Apresentação do livro Nove Contos (2003), do historiador Claudefranklin Monteiro.


[1] Texto modificado e ampliado para o Jornal CINFORM. Publicado originalmente em: SANTOS, Claudefranklin Monteiro. Professor Rusel – Um Gentleman Lagartense. Revista Perfil, Aracaju (SE), p. 24-25, 25 jul. 2009.

 

[2] A escola foi fundada em 1982 e está completando 30 anos em 2012.

Comentários:

Deixe uma resposta