Site pioneiro no resgate da memória lagartense

Lagarto, 11-07-2020

Ranulpho Prata

Personalidades Lagartenses, 4 de abril de 2011

Por Rusel Barroso
.

Médico, jornalista, romancista e autor de contos literários, filho de Felisberto da Rocha Prata e Ana de Vasconcelos Hora, nasceu em Lagarto (SE), em 4 de maio de 1896, e faleceu em Santos (SP), em 24 de dezembro 1942.

Iniciou seus estudos em Sergipe e transferiu-se para Bahia, onde concluiu o curso secundário e ingressou na Faculdade de Medicina de Salvador, vindo a se formar em 1920, no Rio de Janeiro, pela Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro. Clinicou em Aracaju, onde organizou um gabinete radiológico, no governo de Graccho Cardoso. Foi radiologista do Hospital de Cirurgia. Escreveu a monografia “O valor da radiografia no esqueleto e no diagnóstico da sífilis congênita”. Atuou em São Tomás de Aquino (MG), depois transferiu-se para Mirassol (SP) e, em seguida, para Santos (SP). Pai do professor doutor Paulo Prata, cirurgião pela Faculdade de Medicina da USP, idealizador e fundador do Hospital do Câncer de Barretos, hoje Hospital do Amor. Fundador e patrono da Cadeira 7 da Academia Sergipana de Letras.

Sua paixão pelas letras deu-se a partir de experiências vividas em consultório médico com seus pacientes, cujos impulsos causados por lágrimas e sofrimentos inspiraram seus romances e contos admiráveis.

Ranulpho Hora Prata casou-se com a Prof.ª Maria da Gloria Brandão Prata. O filho Paulo nasceu em Mirassol, SP, em 28 de janeiro de 1924, herdeiro do perfil humanístico do pai, marcante em sua formação e em sua vida. Dois meses depois, mudavam-se para Santos, no litoral paulista, onde fixaram residência. Em 1927, Dr. Ranulpho inscreveu-se no corpo clínico da Santa Casa da Misericórdia de Santos, ficando encarregado pelo Gabinete de Raios X e Eletricidade Médica. Além de pioneiro na incipiente radiologia brasileira, ficou também conhecido pelos seus romances “O triunfo” (1918), “Dentro da vida” (1922), “O lírio na torrente” (1925) e “Navios iluminados” (1937), além dos contos “A longa estrada” (1925) e um estudo sobre Lampião (1934). Retratando a vida na comunidade portuária santista em sua época, “Navios Iluminados” é uma importante contribuição à literatura social, objeto de pesquisas acadêmicas. Seu vocabulário real e expressivo foi responsável por suas grandes obras, que marcaram a impetuosidade de seus trabalhos literários e que lhe rendera boas amizades, a exemplo do laço fraterno que mantinha por Lima Barreto, seu amigo inseparável na literatura.

Em breve descrição, traçada na coletânea de cartas de Lima Barreto, lê-se que Ranulpho Prata “formou entre os melhores amigos do romancista, na última fase da sua vida”. Em setembro de 1918, Lima Barreto registraria como haviam se conhecido. Ranulpho Prata o procurara com um exemplar de seu primeiro romance, O triunfo, lançado naquele mesmo ano.

Lima Barreto se referiu ao episódio na primeira frase da crítica ao livro, publicada em 28 de setembro, no periódico ABC: “O senhor Ranulfo [sic] Prata teve a bondade e a gentileza de me oferecer um exemplar de seu livro de estreia – O Triunfo”. Em 1940, dois anos antes de morrer, na véspera do Natal de 24 de dezembro de 1942, em depoimento a Silveira Peixoto, Ranulpho Prata fala do início daquela amizade:

“Lima Barreto elogiou o livrinho e foi visitar-me no Hospital do Exército, onde eu era interno. A visita desse mulato genial deu-me grande alegria. Sentados num dos bancos do jardim, o Lima, meio tocado, como sempre, mas perfeitamente lúcido, claro, brilhante mesmo, queria saber com segurança se a Angelina do romance era realmente bonita como eu a pintara. Todos os ficcionistas, dizia-me ele, com ironia, têm a mania de fazer belas as raparigas das cidades pequenas. Nos lugarejos por onde eu andara nunca vira nenhuma… Eram todas feias, grosseiras, desalinhadas… E eu garanti que a minha Angelina era, positivamente, encantadora, capaz de virar cabeças sólidas de gente de grandes cidades.”

Ranulpho Prata escreveu, entre livros e artigos: O triunfo, 1918; Dentro da vida, 1922; O lírio na torrente, 1925; A longa estrada (contos), 1925. No ano seguinte, lançou A renascença das letras em França. Em 1933, voltou a escrever e publicou Sofrimento, seguido de Lampião, 1934 (notável documentário sobre a vida desse polêmico cangaceiro nordestino) e Navios iluminados, 1937, obra de uma grandeza irrefutável.

 

Comentários:

2 respostas para “Ranulpho Prata”

  1. Paulo Mirassol disse:

    Olá, moro na cidade de Mirassol (SP), onde o Dr. Ranulpho Prata teve consultório e convidou o excelente escritor Lima Barreto para visitá-lo com o intuito de curar-lhe o vício da bebida. Existe um livro de crônicas da cidade onde se localiza até o bar onde ele bebeu a última vez.
    Abraço a todos

  2. Marco Tulio Prata disse:

    Sou da Família Prata de Belo Horizonte (MG). Tive o prazer de encontrar Ranulpho Prata lendo um livro sobre Lampião, do escritor americano Bill Chandler. Nesse livro, o autor citou Ranulpho Prata algumas vezes. Fiquei curioso, pois sou filho de médico, também. Meu pai se chamava Vinícios Prata. Obrigado. Foi um prazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *